terça-feira, 30 de agosto de 2011

Vicente Joaquim Ferreira Pastinha - Mestre Pastinha. (I)

Vicente Joaquim Ferreira Pastinha, o Mestre Pastinha nasceu em Salvador, no dia 5 de abril de 1889, quase um ano após a proclamação da lei Auréa (13 de maio de 1888), mas ainda nos últimos momentos da monarquia no Brasil antes da proclamação da República (15 de novembro, 1889). Veio a falecer na minguá em 13 de novembro de 1981.

Nesta postagem vamos explorar alguns depoimentos dados pelo Mestre Pastinha à Revista Realidade (Ano I, número 11, Fevereiro de 1967) com texto de Roberto Freire e fotos de Davi Drew Zingg. (Leia a reportagem completa aqui!)

No tempo dessa reportagem Mestre Pastinha contava com 77 anos e já apresentava problemas de cegueira. O artigo transcreve um importante depoimento do capoeirista baiano, podendo ser o depoimento inícial da biografia que queremos fazer aqui.


Apesar de extensa, vale a pena conhecer Mestre Pastinha por ele mesmo:

“Esses dois [João Grande e João Pequeno] aprenderam com a Academia mas eu aprendi com a sorte. Quando tinha uns 10 anos – eu era franzininho – um outro menino mais taludo que eu tornou-se meu rival. Era só eu sair para a rua – ao na venda fazer compra, por exemplo – e a gente se pegava em briga. Só sei que acabava apanhando dele, sempre. Então eu ia chorar escondido, de vergonha e tristeza. Um dia, da janela de sua casa, um velho africano assistiu a uma briga da gente. Vem cá, meu filho, ele me disse, vendo que eu chorava de raiva depois de apanhar. Você não pode com ele, sabe, porque ele é maior e tem mais idade. O tempo que você perde empinando raia vem aqui no meu caxuã que vou lhe ensinar coisa de muita valia. Foi isso o que o velho me disse e eu fui. Então ele me ensinou a jogar capoeira, tudo dia um pouco, e aprendi tudo. Ele costumava dizer: não provoque, menino, vai botando de vargarzinho ele sabedor do que você sabe.  Na última vez que o menino me atacou fiz ele sabedor com um só golpe do que eu era capaz. E acabou-se meu rival, o menino ficou até meu amigo de admiração e respeito. O velho africano chamava-se mestre Benedito, era um grande capoeirista e quando me ensinou o jogo tinha mais idade do que eu hoje”.


“Aos 12 anos, em 1902, eu fui para a Escola de Aprendiz de Marinheiro. Lá ensinei capoeira para os colegas. Todos me chamavam de 110. Sai da Marinha com 20 anos. Vida dura, difícil. Por causa de coisas de gente moça e pobre, tive algumas vezes a Polícia em cima de mim. Barulho de rua, presepada. Quando tentavam me pegar eu lembrava de mestre Benedito e me defendia. Eles sabiam que eu jogava capoeira, então queriam me desmoralizar na frente do povo. Por isso, bati alguma vez em polícia desabusada, mas por defesa da minha moral e do meu corpo”.

“Naquele tempo, de 1910 a 1920, o jogo era livre. Passei a tomar conta de casa de jogo. Para manter a ordem. Mas, mesmo sendo capoeirista, eu não me descuidava de um facãozinho de doze polegadas e de dois cortes que sempre trazia comigo. Jogador profissional daquele tempo andava sempre armado. Assim, quem estava no meio deles sem arma nenhuma bancava o besta. Vi muita arruaça, algum sangue, mas não gosto de contar casos de briga minha. Bem, mas só trabalhava quando minha arte negava sustento. Além do jogo, trabalhei de engraxate vendia gazeta, fiz garimpo, ajudei a construir o porto de Salvador. Tudo passageiro, sempre quis viver da minha arte. Minha arte é ser pintor, artista”.

“Foi em 1941 que minha vida mudou. Foi na Ladeira da Pedra, fim da Liberdade, no bairro da Gingibirra. Um ex-aluno meu, de nome Aberre, bom capoeirista, já morto, me convidou para apreciar uma roda de capoeira. Na rida só tinha mestre. O mais mestre dos mestres era Amorzinho, um guarda civil. No apertar da mão me ofereceu tomar conta de uma Academia. Eu dei uma negativa, mas os mestres todos insistiram. Confirmavam que eu era o melhor para dirigir a Academia e conservar pelo tempo a capoeira de Angola. Fundei então o Centro Esportivo de Capoeira de Angola, em 1941, e registrei a Academia em 1952. Botei carteira para capoeiristas. Meus meninos são diplomados”.

“Saem daque sabendo tudo. Sabendo que a luta é muito maliciosa é cheia de manhas. Que a gente tem de ter calma. Que não é uma luta atacante, ela espera, Capoeirista bem tem obrigação de chorar no pé do seu agressor. Está chorando, mas os olhos e o espírito estão ativos. Capoeirista não gosta de abraço e aperto de mão. Melhor desconfiar sempre das delicadezas. Capoeiristas não dobra um esquina de peito aberto. Tem de tomar dois ou três passos a esquerda ou á direita para observar o inimigo. Não entra pela porta de uma casa onde tem corredor escuro. Ou tem com o que alumiar os esconderijos da sombra ou não entra. Se está na rua e vê que está sendo olhado, disfarça, se volta rasteiro e repara de novo no camarada. Bom, se está olhando ainda, é inimigo e o capoeirista se prepara para o que der e vier”.

“Capoeira de Angola só pode ser ensinada sem forçar a naturalidade da pessoa, o negócio é aproveitar os gestos livres e próprios de cada qual. Ninguém luta do meu jeito, mas no deles há toda a sabedoria que aprendi. Cada um é cada um”.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...