quinta-feira, 30 de outubro de 2014

A sabedoria popular - 1954 - Edison Carneiro

Vamos visitar um camarada nosso, de outra postagem. Edison Carneiro, que conhecemos quando tempos atrás pesquisávamos sobre berimbau: B E R I M B A U - Edison Carneiro. Mas temos que confessar, falando do Sr. Carneiro, a postagem anterior foi muito simples. O autor desta obra, e de muitas outras, merece algo melhor elaborado. Por isso, aqui, procuramos melhor representar esse autor. Intelectual Baiano que atuou como escritor voltado para ações e políticas  culturais afirmações da população negra no Brasil, durante o século XX.

O autor: Nascido em Salvador, Edison de Souza Carneiro formou-se em direito (Faculdade de Direito da Bahia, em 1935), mas se destacou como pesquisador da cultura popular e se envolveu nos movimentos que procuraram conhecer e valorizar o folclore brasileiro. Dedicou-se a estudos de temas afro-brasileiros, tornando-se maior autoridade nacional sobre os cultos de origem africanas e dos problemas de aculturação dos povos africanos no Brasil. 

Logo após ter se formado em direito, participou do grupo literário junto com Jorge Amado da Academia dos Rebeldes. Depois de 1933, Edison iniciou seus estudos sobre a cultura brasileira de matriz africana e em 1937 fundou, a federação das casas de candomblé baianas (União das Seitas Afro-Brasileiras da Bahia) e organizou o II Congresso Afro-Brasileiro. Neste evento, que contou com a participação de muitos intelectuais da época do movimento negro ou não, inaugurou um rumo para o estudo da cultura africana-brasileira. 
Mudou-se para o Rio de Janeiro em 1939 e atuou como jornalista, sempre vinculado a questões sobre a brasilidade. Vinte anos depois, em 1959, trabalhou como professor no ensino de Bibliografia do Folclore no curso te Biblioteconomia da Biblioteca Nacional, e mais tarde atuou também em várias universidades brasileiras. Mais tarde ainda, em 1969, recebeu o Prêmio Machado de Assis da Academia Brasileira de Letras e também foi condecorado com duas vezes, a primeira com a Medalha Silvio Romero pelo Governo da Guanabara, e a segunda com a Medalha Euclides da Cunha, pela cidade de São José do Rio Preto. Na década de 70, concretizou a criação do Instituto Nacional do Folclore. 
Durante sua vida escreveu várias obras sobre o folclore brasileiro, principalmente em temas voltados a história das populações negras e da valorização de suas culturas, configurando-se num grande intelectual sobre o assunto. Veio a falecer em dezembro de 1972.

O capítulo da Obra: CAPOEIRA DE ANGOLA

Nesta obra, A sabedoria popular, Edison Carneiro abordou temas ligados a presença negra na cultura brasileira como a escola de samba, samba-de-roda, bumba-meu-boi, entre outras manifestações oriundas do Recôncavo da Bahia. Aqui nos interessa o capítulo sobre a Capoeira de Angola. Então, vamos a ele.
Para nosso outor, a capoeira seria uma vadiação, onde os jogadores "se divertem, fingindo lutar". Lembra que nem sempre foi assim, dando a entender que os capoeiras eram algum tipo de problema para o poder público, pois no século XIX os capoeiras foram enviados para a guerra do Paraguai. Ou ainda, cita Manuel Quirino, para mencionar do Besouro Magangá.
Segue levantando em nove (9) as "modalidades" de jogos da capoeira e afirma que capoeira angola e angolinha são variações da mesma coisa, que São Bento Grande, São Bento Pequeno por um lado e Jogo de Dentro, Jogo de Fora, por outro são a mesma coisa. Se diferenciando principalmente pela forma de se tocar o berimbau.
Dito isso, convida o leitor a estudar a capoeira angola. Descreve a forma como se dá o início do jogo mencionando a formação da bateria (ou orquestra na suas palavras) e do comportamento dos jogadores ante ao primeiro canto, momento nomeado pelo auto de preceito, que sempre terminaria com a "vorta ao mundo". Para ele, o sinal para o início do jogo. 
Iniciado o jogo, Carneiro menciona alguns movimentos da capoeira. Sendo que as pernas seriam as mais requisitas para a vadiação, e que as mão serviriam mais pra equilibrar o corpo ou serem usadas para dar um golpe no pescoço (tronco) ou ainda, para o dedo no olho. Por fim, cita semelhanças de canções conhecidas na capoeira com canções cantadas nos candomblés de caboclo, e a proximidade das cantigas de capoeira com as cantigas populares. Encera seu texto listando lugares onde a capoeira de angola era jogada na Bahia e seus destacados jogadores: o pescador Samuel Querido de Deus, o estivador Maré, Siri de Mangue… entre outros.

Visite abaixo o trecho da obra que selecionamos para este post, e não deixe de nós enviar um comentário:








Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...